05 outubro, 2009

As cartas de amor...


...que escrevi para ti tinham outro destinatário. Esses teus olhos que me estremeciam a alma eram de outra pessoa. O sorriso dos teus lábios era de alguém que não tu. Dentro de ti, o teu coração batia diferente dentro dos meus ouvidos. As promessas que fizeste eram de um contracto que tu não assinaste. Foste o príncipe encantado de uma história que eu vivi e que não era a minha.

Essa história ficou gravada no meu coração traído e magoado, incompreendido. Ficou escrito, como numa pedra, cada mágoa, cada passo errado, cada poesia inacabada, cada carta de amor perdida. No coração, ficou escrito, como um aviso para não voltar a percorrer esse caminho, como um pedido de socorro eterno.

Hoje, olho para ti, e já não ouço o teu coração dentro dos meus ouvidos, nem o meu coração dentro de mim. Há uma nuvem entre nós que já não me deixa ver os teus olhos que não são teus. As promessas de outrora são agora borboletas zonzas, solitárias, peças de um puzzle que não consigo encaixar. São pedaços de ilusão, de mentiras, promessas de um amor eterno de que o tempo se esqueceu para sempre.

MariaPapoyla

3 comentários:

Galo disse...

Uma carta de amor que eu não queria receber.

marta disse...

Obrigada pelo selo!

Já passei mensagem =)

diana disse...

às vezes escrevemos cartas a alguém que pensamos conhecer. Pensamos.